segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Saudades de vocês…

Não esperava fazer um post a respeito disso, mas devo isso à vocês, que são sempre tão carinhosas comigo e estão sempre presentes, seja na leitura diária e/ou nos comentários. Além disso serve de lição para quem gosta de se automedicar como eu…rs.

Há aproximadamente uns 3 meses a minha saúde vem dando sinais de que algo não está legal, e acabei ficando doente mais vezes do que em toda a minha vida. Primeiro foram as gripes que eu, como todo mundo, acabava tomando algum anti-gripal por conta própria, afinal de contas todo o médico que procuramos nessas horas diz para tomarmos vitamina C e muita água, e acabamos sofrendo os sintomas da gripe mesmo assim. No meu caso escolhi a Coristina, que ao longo do tempo percebi que “secava” as secreções e parecia transformar em catarro… que nojooo…kkk. Consequência disso? Um ventinho qualquer fazia a minha garganta inflamar (não tenho amígdalas, ou seja, não tenho “proteção”) e dor de ouvido causada pela tal “secreção nojenta”. Uma sensação horrível de corpo cansado, cabeça doendo e a dor de ouvido de enlouquecer. Agora entendo porque dizem que cachorro quando tem dor de ouvido morde.

Na primeira vez que fui à emergência, a médica disse que era consequência da gripe mal curada e me passou antibiótico, corticóide e analgésico mais forte.

Quando achei que estava livre, após uma semana do término do tratamento, mais vento e novamente os mesmos sintomas. Fui ao médico novamente e a explicação dele foi a mais tosca que já ouvi… a abertura da minha articulação mandibular é muito grande o que acaba me deixando muito exposta. Hãããã??? Podem acreditar, ouvi isso e me senti o próprio Frankstein com a mandíbula grande demais…kkk.

Enfim… após algumas semanas meu organismo resolveu agir diferente, e a reação foi uma aparente cistite, e pela primeira vez resolvi me automedicar com Pyridium que algumas pessoas já haviam comentado. Detalhe: tenho o costume de beber 3 litros d’água no trabalho, mas nos finais de semana, na correria de Amélia acabo bebendo mais suco e refri do que água.

Durante o período em que tomei esse remédio, minha lombar doía e eu não sabia se era da malhação da semana anterior, ou uma infecção urinária. Como na bula do remédio diz que só podemos tomar durante 2 dias no máximo, após esse período parei de tomar e as dores na lombar se intensificaram. Final das contas, após um dia exaustivo de trabalho até tarde da noite, corri à emergência do Hospital Badin e foi constatada a infecção urinária que eu temia.

A dor na lombar era tão forte que nem mesmo conseguir ficar sentada para checar e-mails e escrever posts conseguia. Fui à aula de inglês no sábado de manhã dopada de remédios, pois era uma aula muito importante, pois antecede a prova. Quando saí da aula me senti tonta e achei que fosse desmaiar. Após 3 dias de cama, ainda não estou 100%, mas estou de volta ao trabalho e à blogosfera que tanto amo. Vocês não têm noção do quanto estar aqui me fez falta. :(

Sinceramente acho que a minha imunidade está baixa e por isso mesmo vou à minha médica querida amanhã.

Mas, por que #alocka tá contando tudo isso? Simples: é errando que se aprende, e a lição dos outros pode servir para alguns. Preciso dormir mais, me aborrecer menos e me dar mais valor, pois às vezes, as pessoas que dizem ser suas amigas, são as primeiras a lhe deixar na mão como se nada tivesse acontecido, pelo simples fato de que apenas seu umbigo lhe interessa.

Desculpem-me o desabafo, mas acho que serve pra todo mundo, né.

Bjuuus e estou de volta minhas amigas virtuais mais que presentes.

Força na peruca. \o/\o/